Quem somos - Máva ore

O projeto de extensão universitára da UNILA "Educomunicação e Cultura Guarani" reune um grupo de pessoas curiosas pelas possibilidades da comunicação e incomodadas com o formato tradicional da educação. Somos educomunicadoras e educomunicadores, indígenas e não-indígenas, com formações empíricas e acadêmicas diversas. Somos o Educom Guarani!

Ko tembiapo okaraygua oñemotendondéva UNILA guive héra “Myasãimbo’e ha Avañe’ẽ Ayvu-Arandu”. Ko’ápe roime maymáva rohekáva tape pyahu tekombo’e rekávo, ipyahu hagua ñande arandu porã. Ore ava ha juruakuéra rorekóva heta mbo’esyry rehegua roheka rokakuaave ko ava randu rapére. Ore myasãimbo’ehára.

Nossa comunidade pedagógica se empenha no desenvolvimento de oficinas de produção audiovisual, com conteúdos de rádio, fotografia e vídeo. Somos um grupo de pessoas curiosas pelas possibilidades da comunicação e incomodadas com o formato tradicional da educação. O projeto Educom Guarani nos reuniu na Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA) para realizar este trabalho na região do Oeste Paranaense, onde se encontra parte do território ancestral guarani. Nosso comprometimento com a cultura originária nos motivou a investigar métodos de trocas pedagógicas que incentivem o uso da língua guarani, sobretudo com o apoio de ferramentas e tecnologias da Comunicação Social. Assim, buscamos a mediação cultural, a fim de uma comunicação inter-epistêmica, construindo de forma conjunta ensino e produção audiovisual. Também faz parte de nossas preocupações e demandas, debatidas em conjunto com lideranças guarani (caciques, xamõis e professores de língua e cultura guarani), a consolidação de uma comunicação comunitária para o fortalecimento e a integração da comunidade regional, bem como a intensificação do protagonismo guarani em suas narrativas.

Camila Lazzarini

Educomunicadora do projeto

Camila Cristina Lazzarini, formada em Design Gráfico, atualmente cursa Letras - Artes e Mediação Cultural na UNILA. Iniciou sua participação em movimentos sociais como ativista ainda em São Paulo, com moradores em situação de rua e ocupações urbanas do centro da cidade. Mais tarde, em Foz do Iguaçu, foi coordenadora de um projeto de arte educação, subsidiado pela UNILA por meio de edital, na Ocupação Bubas, considerada a maior ocupação urbana do Paraná. Atualmente realiza oficinas de arte educação em diversas organizações e projetos sociais, como a AFA, CCEB Francisco Buba, Projeto Caminhos, Centro da Juventude, Guarda Mirim, dentre outros. É membro do grupo de estudos De La Mano Por Anchos Caminos de educação em direitos humanos, valores e cidadania. E realiza também pesquisa acerca da educação decolonial. Participa do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani desde 2019, buscando a troca de saberes entre audiovisual e língua e cultura Guarani.

Dalia Espino

Educomunicadora do projeto

Dália Espino Vegas, nasceu em Lima (Perú), mas suas raízes são Muchik. Radicada no Brasil desde 2016, se graduou em Letras, Artes e Mediação Cultural pela UNILA, e atualmente é bolsista do Mestrado Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos, onde pesquisa estéticas decoloniais, memória, imagem e poesia latinoamericana. Se integrou ao Projeto Educomunicação e Cultura Guarani desde 2019. Enquanto artista, participou de diversos recitais de poesia e publicou textos no México, Chile e Perú. Em 2017, foi curadora da mostra fotográfica “La escuela de Jhon”, no Museu de Arte Contemporâneo de Valdivia, no Chile. No mesmo ano participou da residência artística “Multigraphias: Processos Colaborativos de Criação”, no Brasil, e do Festival de Cinema Peruano Hecho por Mujeres, no Perú. Em 2018 foi gestora cultural do Coletivo Pachuca Sonora, de artística da tríplice fronteira (AR/BR/PY). Desde 2019 faz parte do grupo de pesquisa Esandino - Estudos Andinos de Interculturalidade Quechua y Aymara da Universidade Nacional Mayor de San Marcos (Perú). Em 2020 foi palestrante do Laboratório de criação visual: Fotografia e Memória Oral Educação Intercultural Bilingüe, para o Grupo de investigação EILA da Universidad Nacional Mayor de San Marcos.

Laura Fortes

Educomunicadora do projeto

Laura Fortes é professora da UNILA, atua na área de Letras e Linguística e no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos (PPGIELA). Coordena o Projeto Educomunicação e Cultura Guarani desde 2019. A maior parte de sua trajetória acadêmico-profissional, entre 1999 e 2016, foi realizada em São Paulo, especialmente na USP. É membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Língua Estrangeira, Discurso e Identidade - LEDI (USP), e do Grupo de Pesquisa Linguagem, Política e Cidadania, (UNILA). Dedica-se aos estudos da análise de discurso pecheutiana e da linguística aplicada, com foco nos seguintes temas: ensino e aprendizagem de línguas, bi/multilinguismo, translinguagem, currículo, políticas de línguas e formação docente.

Ligia Andrade

Educomunicadora do projeto

Ligia Karina Martins de Andrade é professora da UNILA. Estudou desde a graduação até o doutorado na Universidade de São Paulo –USP- (1995-2009). Foi professora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM-Manaus) de 2004 até 2013. Desde fevereiro de 2013 é professora da UNILA (Foz do Iguaçu). Foi bolsista do CNPQ (mestrado) e da FAPEAM (doutorado) para realizar pesquisa sobre a obra de José María Arguedas. Recebeu prêmio de “Reconhecimento e respeito às pessoas e instituições que contribuem para a Província de Puno” (“Resolución de la Alcaldía n.661-2019-MPP/A”), Municipalidad Provincial de Puno. Pesquisa também a relação entre literatura e ecocrítica. Tem publicações na área de análise do discurso, língua literária em Arguedas, bilinguismo quechua/espanhol na literatura, línguas minorizadas, políticas linguísticas no Peru e o teatro contemporâneo na Amazônia. Desde 2019 participa do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani.

Luiz Centurión

Educomunicador do projeto

Luiz Centurión Gómez, nasceu em Tarma - Junin, Peru. Formado em jornalismo pela Universidad Jaime Bausate y Meza (Peru), trabalhou durante cinco anos como repórter gráfico nos jornais La Republica (2013 - 2016) e Peru21 (2016 -2018). Em 2018, formou parte de Multigraphias, um programa de residência artística no Brasil. Em 2019, ganhou o prêmio de fotografia Iberoamericana - “Miradas Jóvenes” – Organismo Internacional de Juventud para Iberoamérica (OIJ), no mesmo ano começou a fazer parte do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani. Atualmente é estudante do mestrado interdisciplinar do Programa de Pós-Graduação em Estudos Latino-Americanos na mesma universidade, onde desenvolve uma pesquisa focada na Educação Rural, Fotografia e Memória. Suas fotos foram publicadas pela revista Soft Secrets (EUA) e o portal El Desconcierto (Chile). Professor de fotografia no Laboratório de criação visual Fotografia e Memória Oral Educação Intercultural Bilíngue, pelo grupo de pesquisa EILA da Universidad Nacional Mayor de San Marcos (2020).

Luciana Guedes

Educomunicadora do projeto

Luciana Guedes é natural do Rio de Janeiro. Comunicadora (habilitada em Jornalismo), pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi integrante do movimento estudantil e bolsista do Observatório de Conflitos Urbanos (RJ), contribuindo com a pesquisa extensionista junto aos movimentos de defesa do território urbano. Se graduou com o trabalho de conclusão de curso o documentário Árvore de Sangue - I Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, que estreou no 6o Festival de Cinema Indígena Cine Kurumin, em 2017, e foi exibido na 7a Mostra Ecofalante e no Festival ECOCINE 25 anos, em 2018. Mestra em Integração Contemporânea da América Latina pela UNILA (PPG - ICAL), com a dissertação “Comunicação e a prática decolonial - Rádios Comunitárias e a Retomada Linguística da América Latina”, trabalho realizado em conjunto com as rádios comunitárias indígenas do Paraguai e com as radios comunitárias aimaras da cidade El Alto, na Bolívia. Eh midialivrista, integrante do coletivo Interferência - Rádio Livre desde 2013. Desde 2018 participa do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani.

Mario Ramão

Educomunicador do projeto

Mario Ramão Villalva Filho Em São Paulo se dedicou à docência do curso de Comunicação Social (habilitação Rádio e TV), ensinou Guarani em curso de extensão da USP. Licenciado pelo Ateneo de Lengua y Cultura Guaraní Especialista em Educomunicação pela ECA/USP e mestre em Integração Latino-Americana pelo PROLAM/USP. Membro Correspondente da Academia de Língua Guarani. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável da UNIOESTE. De 2001 a 2004 participou dos projetos educom.radio e educomrádio.centro-oeste coordenado pelo Núcleo de Comunicação e Educação da ECA/USP. Atualmente é professor de Língua e Cultura Guarani na UNILA e membro do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani.

Gilmar Tupã

Educomunicador do projeto

Gilmar Tupã Re Sapy Chamorro (Biel Tupã), seu nome indígena é Tupã Re Sapy, é indígena da etnia avá-guarani. Mora na Aldeia Indígena Tekoha Ocoy, em São Miguel do Iguaçu (PR). É acadêmico do curso de Geografia – Licenciatura – da UNILA. É professor de geografia do Colégio Indígena Teko Ñemoingo. Youtuber indígena e Jovem Liderança Guarani. Participou de inúmeros eventos e proferiu palestras nacionais. Foi representante dos jovens indígenas do Paraná em evento sobre direitos humanos em Brasília. Participou do “VI Encuentro Intercultural de Literaturas Ameríndias” com a leitura de poema em língua guarani, realizado em Lima (Peru), no ano de 2020. É membro do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani desde o início de 2020.
Youtube | Instagram | Tik Tok | Facebook

Sergio Medina

Educomunicador do projeto

Sergio Daniel Medina, nome guarani Karai Nhevanga, nascido em 1997 na Cumunidad Yryapu, na Argentina, com 8 anos veio morar no Brasil na aldeia Ocoy em São Miguel Iguaçu, onde iniciou seus estudos e viveu até os 13 anos de idade. Na adolescência voltou a viver na Argentina e depois regressou ao Brasil, mas só quando foi viver nos tekohas Anhete e Itamarã, em Diamante D’Oeste, que passou a integrar o grupo de jovens lideranças. Já participou de diversos encontros de lideranças do oeste paranaense representando os jovens, tendo sido uns dos coordenadores de comunicação no encontro de Jovens Lideranças em 2019. No mesmo ano participou das oficinas educomunicativas e formativas do Projeto Educomunicação e Cultura Guarani e em 2020 passou a integrar o Educom Guarani.

Karina Guerrero

Educomunicadora do projeto

Karina Guerrero, de nacionalidad Paraguaia, com curso de auxiliar administrativa, amante da cultura Paraguaia e do Guaraní, radicada Brasil desde 2019, estudante do curso de Ciências Econômicas, integração e desenvolvimento actualmente participante do projecto de Educomunicacion e cultura Guarani.